FAQ: Como os fabricantes de máquinas de solda por ultrassom medem a amplitude de vibração? Claro, não é possível acionar o conversor à potência máxima sem carga, ou seja, é provável que usaremos 10-20% da potência máxima na condição sem carga. Gostaria de saber como os fabricantes consideram o ponto de amplitude máxima que eles declaram... ou seja: 30-50 micrometros em 20kHz. Sr. L.S.

Em geral, o procedimento consiste em acionar o conversor na tensão máxima (limite do gerador) e avaliar a amplitude de vibração na condição sem carga por meio de sensores a laser. Como os conversores de solda por ultrassom operam na frequência de antirressonância (na impedância máxima), o consumo de energia será baixo (quanto menor, melhor o conversor e maior o Qm). No entanto, se você está acionando o conversor na ressonância, essa abordagem não funciona e não sabemos como seria um teste de amplitude equivalente.

FAQ: Eu trabalho em um departamento de selagem por sopro e em nosso processo, usamos facas ultrassônicas (Dukane, 20 kHz, com amplitude de 120 µm) para cortar flaconetes. Por muito tempo, temos buscado um método de teste para ter certeza de que nossas facas ultrassônicas estão em boas condições. No momento não sabemos qual é a amplitude de vibração do conjunto acústico. Eu estava fazendo uma pequena pesquisa e visitei o site da ATCP. Vi que existe uma ferramenta (o Sonicsniffer). Essa ferramenta pode ser usada para testes / solução de problemas? Se as ferramentas não são utilizáveis para nós, existem outras maneiras que podem ser utilizadas? Sr. N.V.

É inviável verificar a condição de conjuntos acústicos medindo a amplitude da vibração rotineiramente devido à alta frequência envolvida. Até onde sabemos, apenas interferômetros a laser e sensores ópticos são capazes de medir adequadamente a amplitude de vibração dos dispositivos ultrassônicos de potência; e eles são caros e pouco práticos para o chão de fábrica. No caso descrito, há a complicação adicional da falta de um bom alvo óptico, já que a terminação da faca não é uma superfície plana.

Nossa abordagem e sugestão são avaliar a condição do conjunto acústico indiretamente por sua frequência e fator de qualidade mecânico (Qm). Há uma frequência correta e uma tolerância que deve ser observada (em 20 kHz a tolerância típica é ±50 Hz) e um Qm mínimo (500 para conversor sozinho e 1000 para o conjunto acústico completo). A amplitude da vibração é diretamente proporcional ao Qm.

A frequência do conjunto acústico com a faca em funcionamento é mensurável pelo SonicSniffer, desvios indicam a necessidade de manutenção preventiva para evitar falhas. A manutenção consiste basicamente na limpeza das superfícies das juntas e remontagem da pilha com o torque correto. Se a manutenção preventiva não for suficiente, é necessário identificar a parte defeituosa (seja o conversor, o booster ou a faca). Para identificar a peça com defeito, você pode usar o Analisador TRZ para testar a frequência de cada peça e o fator de qualidade mecânico (Qm). O Software TRZ possui critérios pré-programados para auxiliar na execução dessa tarefa. Além disso, nossos instrumentos de teste incluem treinamento online e suporte remoto para auxiliá-lo e acelerar sua curva de aprendizado.

Aprenda mais sobre os processos de manutenção preventiva.