FAQ: Todas as cinco amostras de cerâmica piezoelétrica que testamos apresentaram picos próximo a 50 kHz, entre a Fr e a Fa. Estas cerâmicas estão com trinca ou não?

Exemplo de curva de cerâmica piezoelétrica suspeita de trinca interna testada pelo Analisador TRZ.

Em nossa experiência, picos entre Fr e Fa não indicam necessariamente a presença de trinca. Já encontramos esse resultado antes, no entanto, não conseguimos confirmar a presença de trincas internas por outros meios (teste ultrassônico não-destrutivo por pulso-eco). Este distúrbio pode estar relacionado a gradientes de propriedades do material dentro do elemento ou a questões dimensionais. Outra causa pode ser o contato deficiente do êmbolo do PiezoHolder com a cerâmica piezoelétrica. O elemento piezoelétrico ressona nesta faixa de frequência (entre Fr-Fa) e pode se desconectar momentaneamente do êmbolo (não podemos simplesmente aumentar a força do êmbolo do produto porque tem o efeito colateral de arranhar o eletrodo do elemento causando outros problemas). Para testar se esses picos estão relacionados a mau contato, o usuário pode polir suavemente os eletrodos piezoelétricos sobre papel comum e/ou aumentar ligeiramente a força do êmbolo pressionando-o manualmente durante o teste. Se os picos mudarem de forma ou não forem estáveis, então são causados por mau contato. Se os picos se estiverem estáveis e forem reprodutíveis, o problema está no elemento piezoelétrico.

Se for confirmado que os picos estão relacionados ao elemento piezo, recomendamos testar outras marcas e alternativas, a menos que não seja uma aplicação crítica. Para sensores, esse defeito não deve ser um problema, para alta potência, pode causar falhas prematuras.

Na imagem é mostrada a curva de um anel piezoelétrico testado pelo Analisador TRZ com o acessório PiezoHolder na qual ocorreram picos entre Fr e Fa.

Aprenda mais sobre a metodologia de detecção de trincas.